Salmonellas podem ajudar no tratamento do câncer

salmonellaTenho boas e más notícias. Como? Você quer a má primeiro? Tudo bem! Se você é daqueles que gosta de ovos quase crus, toma gemada, adora carne de frangos não muito cozidas (com Z, se for com S, você estará, no máximo, costurando o frango) e não é asseado o suficiente – ou paranóico – para se certificar da procedência de seus alimentos, você tem grandes tendências de contrair salmonelose, uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família Enterobacteriaceae e, acredite, não é o tipo de coisa que você gostaria de contrair. A boa notícia? Ah, sim! Esta bactéria desgraçada pode ser a chave para a destruição de tumores sólidos. Em suma: elas podem ajudar no combate ao câncer. Viu como até o mais asqueroso dos seres pode ter alguma serventia?

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Anúncios

Jornalistas x Ciência: A arte de desinformar

jornalistaTudo começa com uma manchete. O que seria dos jornais sem as manchetes? Principalmente, sem os exageros inerentes? Acho que ninguém leria (se bem que a maioria só lê o título mesmo). Assim, a pseudo-reportagem da Isto É começa de modo bombástico: Os domadores de Titã. Algo que parece ter saído direto da mitologia grega, como os nomes dos corpos celestes envolvidos. Examinando a “notícia”, eu me peguei brincando de Jogo dos Vários Erros. Leiam e vamos ver quantos de vocês são capazes de encontrar.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Pesquisadores determinam variabilidade genética entre dois homens

dnaO Sábio Senhor do Ceticismo.net responsável pelo setor de Ciência e Assuntos Religiosos (eu, prazer) acha que as notícias sobre ciência devem passar por uma averiguação, checar fontes, postar os links das publicações indexadas e tecer maiores explicações sobre o assunto em questão. Assim, evitamos o caso do Peixe Highlander.

De acordo com notícia da BBC, Um estudo sugere que cada ser humano possui pelo menos 100 mutações genéticas no DNA, fazendo de nós mutantes. O problema é que SOMOS mutantes, mas não é de hoje. Se nosso código genético não tivesse mutações ao longo de nossa história evolutiva, ainda seríamos uma ameba (apesar que muitas pessoas pensem como uma ameba).

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Ratos loiros são mais uma prova do processo evolutivo

peromyscus_maniculatusÉ uma pena que algumas coisas não existem. A Evolução é um bom exemplo, pois ela é totalmente inexistente e não há nenhuma prova que ocorra, mediante os critérios da Seleção Natural. O problema é que esqueceram de avisar isso ao mundo natural e aos pesquisadores de Harvard, já que estes últimos descobriram um rato veadeiro (Peromyscus maniculatus) que chamou a atenção de cientistas. Dessa vez, ativistas não precisarão ficar horrorizados; não maltrataram o bichinho. Simplesmente, descobriram uma mutação que ocorreu de forma natural, propiciando uma vantagem adaptativa, graças à melhor camuflagem que os pelos lhes conferiram, e foi rapidamente transmitida às gerações seguintes. Mas isso é engôdo dos servos de Satã, nada disso existe e, cá pra nós, este ratinho avermelhado tem aparência um tanto demoníaca.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Termorregulação de mamíferos marinhos impede que morram congelados

focaBaleias, golfinhos, focas e outros mamíferos marinhos podem gerar o próprio calor e manter uma temperatura corporal estável, apesar das condições ambientais variáveis. Assim como as pessoas, eles são homeotérmicos endotérmicos – ou seja, são animais “de sangue quente”. Mas esses mamíferos são especialistas em termorregulação: suportam temperaturas na água, que chegam a –2 ºC e temperaturas do ar de –40 ºC.

Ann Pabst, zoóloga marinha da Universidade da Carolina do Norte, em Wilmington, explica como os mamíferos marinhos conseguem sobreviver ao frio extremo. As águas oceânicas polares podem chegar a –2 ºC negativos. Mesmo em regiões temperadas ou tropicais, a água do mar pode atingir –1 ºC em grandes profundidades.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Biólogos estão perto de “código de barras” para vegetais

barcode_tomatoOs biólogos deram um grande passo adiante para adotar um “código de barras” para cada espécie viva do planeta. Um banco de dados contendo códigos de barra de sequências genéticas permitiria identificar facilmente as espécies envolvidas em, por exemplo, embarques suspeitos de animais provenientes de áreas sob proteção ambiental. Descobrir o código de barras mais apropriado para animais foi um procedimento relativamente simples, mas o equivalente vegetal se provou bem mais problemático.

Agora os pesquisadores chegaram a um “acordo comunitário amplo” sobre dois genes que poderiam ser usados para o código de barras vegetal. A aprovação do acordo, delineado em estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, pode estimular grande número de estudos nesse ramo e também oferecer aos biólogos acesso a fundos provenientes de fontes que até o momento relutavam em bancar esse tipo de pesquisa porque os resultados poderiam se tornar ao menos em parte obsoletos com certa rapidez.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Cientistas estudam anfíbio para tratar regeneração de membros

axolotleOs malvados cientistas da Universidad Nacional Autónoma de Mexico (UNAM) – insensíveis, horrendos e capazes de atos hediondos à guiza de ampliar o conhecimento humano e melhorar a vida das pessoas – estão estudando a capacidade regenerativa de um anfíbio chamado Axolotle (Ambystoma mexicanum), que possui 3 pares de brânquias externas e possui uma das maiores capacidades regenerativas no reino animal, podendo regenerar extremidades completas do corpo até pedaços de cérebro. Ele só não possui esqueleto de adamantium (ainda).

Clique aqui para ler o restante deste artigo »